OPERAÇÃO PAULISTA ALBA BRANCA

‘GOVERNO ALCKMIN CANCELOU CONTRATO POR PROPINA’

:

Alckmin aparece ao lado de Chebabi

Presidente da Coaf (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar) preso, Cássio Chebabi afirmou ao Ministério Público que a Secretaria da Educação do governo Geraldo Alckmin (PSDB) cancelou um contrato com a entidade em 2013, para fornecer cerca de R$ 8 milhões em suco de laranja para merenda da rede estadual, para forçar o pagamento de propina; apontado pela Operação Alba Branca como intermediário no repasse de suborno para o deputado Fernando Capez (PSDB), Jéter Rodrigues, ex-assessor do atual presidente da Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), admitiu ter sido procurado para ‘renegociar’ o contrato; na imagem acima, Alckmin aparece ao lado de Chebabi

28 DE JANEIRO DE 2016

O presidente da Coaf (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar), investigada em um esquema de fraude em merenda escolar em São Paulo, afirmou ao Ministério Público que a Secretaria da Educação do governo Geraldo Alckmin (PSDB) cancelou um contrato com a entidade para forçar o pagamento de propina.

Segundo Cássio Chebabi, em delação premiada, a entidade venceu em 2013 uma chamada pública para fornecer cerca de R$ 8 milhões em suco de laranja para merenda da rede estadual.

Com o contrato cancelado, um dos operadores do esquema, Marcel Ferreira Julio, ligado ao deputado Fernando Capez (PSDB), hoje presidente da Assembleia Legislativa, propôs um “acordo” para destravar o negócio sob pagamento de um percentual.

Apontado pela Operação Alba Branca como intermediário no repasse de propina para Capez, Jéter Rodrigues, ex-assessor do presidente da Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), admitiu ter sido procurado pelo lobista para ‘renegociar’ o contrato.

Em nota, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo afirmou que a segunda chamada pública foi mais vantajosa que a primeira, mas não explicou o motivo técnico do cancelamento.

Leia aqui reportagem de Thais Arbex sobre o assunto.

COMENTÁRIOS:

Carlos da Silva ·

MÁFIA DA MERENDA : MP de SP pode investigar sobrinho de Alckmin – 18/01/2011

Investigada por suspeita de fraude nas licitações e pagamentos de propina a prefeitos paulistas e de outros três estados, a Verdurama disse “desconhecer o fato”.

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) deve incluir no inquérito que investiga a máfia da merenda em Pindamonhangaba, no Vale do Paraíba, a denúncia revelada na segunda-feira pelo Jornal da Tarde de que as refeições fornecidas pela Verdurama eram transportadas pela funerária de Lucas César Ribeiro.  Lucas é filho do lobista Paulo César Ribeiro, o Paulão, cunhado do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

A apuração corre sob segredo de Justiça. A promotoria considera a denúncia grave e, se julgar necessário, poderá chamar a depor o agente funerário Vicente Ricardo de Jesus, de 52 anos. Ex-funcionário da funerária de Lucas, Jesus afirmou que, no período em que trabalhou no local, levava merenda para a Verdurama no mesmo veículo que transportava cadáveres. “Todo mundo sabia”, afirmou ele.
http://www.gazetadopovo.com.br/…/mp-de-sp-pode…

 

http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/214926/’Governo-Alckmin-cancelou-contrato-por-propina’.htm

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s