Grupo de Cachoeira invade sistema de dados da Polícia Federal

Recorrendo a amigos dentro da Polícia Federal, quadrilha ligada a Carlinhos Cachoeira acessou dados sigilosos da Operação Monte Carlo uma semana antes da deflagração das ações que culminaram com a prisão de Cachoeira e parte do seu bando.

Em gravações devidamente autorizadas a Polícia Federal  apurou que o advogado Leonardo Gagno, contratado pelo grupo de Cachoeira fala de varredura que se estava fazendo e da sua intenção de falar com o juiz do caso e também com o juiz Leão Aparecido Alves.

Eis as degravações de telefonema entre o advogado Leonardo Gagno e Francisco Marcelo Queiroga, este irmão de José Olímpio, braço direito de Cachoeira:

— A gente revirou o cartório inteiro, revirou o sistema da Polícia Federal inteiro, a gente conseguiu acesso, e nada. Estamos aguardando para falar com o juiz. A gente acabou de ver o Leão entrar aqui no Fórum. Mais tarde eu vou bater um bapo com ele também .

— Não conseguiu nada ainda? — responde Francisco Marcelo.

— Nada. Nada. Toda a pesquisa que a gente fez não tem registro nenhum. Revirei toda a vida de vocês pelo sistema da Polícia Federal e apareceu tudo e não apareceu nada aqui em Goiânia — diz o advogado.

— E agora? — pergunta Francisco Marcelo.

— Vou dar a última cartada. Vou falar com o juiz. Tô na fila para falar com ele que está fazendo uma audiência.

Dias depois, os dois interlocutores acima voltam a conversar:

— Oi, Marcelo. Saí da Federal agora. Nosso pedido já está com o corregedor despachando. Amanhã a certidão deve estar pronta. Olímpio me falou que o advogado do Carlinhos Cachoeira falou com o juiz, pediu uma certidão e ele deu na hora, falando que não existe nenhum processo contra Cachoeira e se existisse teria registro e seria informado a ele — informa o advogado.

E complementa, referindo-se, provavelmente, ao juiz Paulo Moreira Lima, da 11 Vara Federal em Goiânia:

— O cara não ia botar o rabo dele na reta dessa forma, botar isso no papel e botou no papel. Então acho que a nossa tese sobre o assunto é ela mesmo que aconteceu.

Posteriormente, em gravação feita, comunica ter contato dentro da própria Polícia Federal quando relata:

— Ontem a gente até fez uma reunião com um policial federal que é nosso amigo aqui. Ele estava explicando que também pode estar acontecendo a investigação. Ele falou que os delegados têm feito toda investigação por meio de Termos de Averiguação. Depois que está tudo pronto, investigado, aí eles montam o inquérito policial, rápido.(…) E sem ninguém da área ficar sabendo. Entendeu? Porque eles já vão montando a Operação solicitando gente de fora. Então eu penso que com as investigações que a gente fez, a gente tem 50% de cada hipótese.

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s